BlogBlogs.Com.Br

sábado, 30 de outubro de 2010

Tertúlia interior




Caros,

Àqueles que têm paciência e boa vontade de me ler, segue um pedaço de minh'alma.
Uma breve poesia que me ocorreu ao olhar para o sol, como ele se apresenta pra mim agora: Lindo, quente e intenso. Com capacidade de queimar - mas jamais intencionalmente - porém mil vezes me queimaria apenas para desfrutar de tanta vida que dele se origina.








Olhos meus


Há algum tempo, conheci olhos.
Olhos vivos e atentos,
Dos quais indebitamente me apropriei.

Nunca fui de me contentar com pouco.
Sempre dado a exageros, corpos não me pareciam tanto,
Quando súbito conheço olhos
Que ao incidir sobre os meus - ou apenas deitar nas minhas palavras, seguindo seu curso viva e atentamente – eram mais tocantes que mil aventuras.

Não sei o quanto daqueles olhos meus
Enxergavam suas as minhas palavras,
Os meus gestos
E os sorrisos de olhares meus.

Deito agora no descampado que ora sou,
No quarto vazio de onde retirei tudo que não mais se faz importante desde que existam eles.
E penso nos olhos.

Em pensamento – quimera anestésica que é – eles são tão meus quanto eu sou deles.
E, onde estiverem, em semi-consciência opto por crer que me enxergam.

No vazio que estou,
Após terraplanar todo o terreno que era meu,
Deposito esses olhos meus onde só eles cabem.

Lá, ainda que tomado por uma gestalt, que se apresenta apenas a quem assim enxerga,
Eles são meus.

E sorrio,
Intensamente como sempre vivi,
E vivamente como em loucos sonhos poéticos,

Sorrio.

22 comentários:

Gabriel Pinheiro disse...

Alguns, talvez não percebam. E eu talvez perceba errado, por que não? Mas, por trás dos gestos rudes, das palavras cruas e do niilismo cético que exala do saudoso Carlão (não nos prive dele por muito tempo, faz favor), sinto esse mesmo olhar da vida, a capturar e apossar-se de olhares outros. O que dá, ao meu paladar, o sabor que degusto do nosso Carlão é esse lirismo oculto e, de tão oculto, por vezes óbvio, transparente, que emana de cada gole, de cada tragada.
Certo mesmo estava o nosso Português, quando decretou que olhos são janelas que dão para o inacessível, porém impossivelmente real, e desconhecidamente certo.

Do teu irmão,
Gabriel Pinheiro

. disse...

.

Victor Diomondes disse...

Sim, é bom repousar os olhos nisso. Vc só sabe que um poema enche o coração quando ele tranborda pelos olhos. Pois bem...

Abração,

Victor Diomondes

Iลηuziηђα ღღ ©ǿмρإוκđα ε ρεяfειτιђα● ஐ disse...

Verdadeiramente intenso..

Sempre nos perdemos em um olhar...

Bjus

Ianuzi Vaz

jefhcardoso disse...

Oi, Ângelo!
Olhos vivos. Antes vivos, vívidos, pares, sãos. Antes com eles, sempre. Abraço!

“Para o legítimo sonhador não há sonho frustrado, mas sim sonho em curso” (Jefhcardoso)

Convido: http://jefhcardoso.blogspot.com

Thiago Mourão disse...

Real e sincera, sem puder, sem medo do rídiculo ou do exagero, assim faz-se a sua poesia, que me deixou com vontade de sorrir, e de devorar literatura! Parabéns!

juliana disse...

OLÁ!!! Como combinei...
Tuas palavras sábias me remetem a uma reflexão; busca do “eu” interior. Que atinge uma voracidade de ler e instigar cada passagem minuciosamente, despertando um olhar de caleidoscópio e concomitantemente uma mudança de estado tanto espiritual quanto carnal.

Finalizo com...
Um sorriso, um beijo e OLHOS ARREGALADOS de querer mais...

Maria a louca disse...

Angêlo, simplesmente profundo.

ARFERLANDIA disse...

Viver intensamente, mas reflectir.
Imaginar, sonhar, mas tambem agir.
Querer profundamente, é preciso
mas no meio de tanta "luta"
faz sempre falta um sorriso.

Grato pela sua visita.

ARFER

::Soda Cáustica:: disse...

Poesia lindíssima, Ângelo.Continue escrevendo... teus textos são um deleite.

Rosane Marega disse...

Angelo, adorei o texto, o blog, parabéns!
Com certeza virei muitas vezes aqui.
Beijossssssss

Ricardo Aiolfi disse...

Olhos e riso. Tão fácil olhar para um e ver o outro xD

Segure seu olhar xD

Sweet Poison disse...

Ficou realmente ótima!!!
Você conseguiu fazer algo que passa tranquilidade, essencia e intensidade.
Parabéns!

Anônimo disse...

Como diria seu grande amigo LUiz MOtt, "Anjinho isso foi tão profundo, que maravilha!".

Parabens muito legal, o blog ta cada dia melhor, mais recheado com belas poesias, e muito bom o design também. Parabens !

Gisa disse...

Oi Ângelo
Teus olhos me fizeram sorrir...
Um beijo, obrigada pela visita e até o próximo encontro!

Malu disse...

Ângelo ,

Que bom poder conhecer seu espaço
e poesias ...
Seuos olhos calam fundo nessa poesia.


Obrigada pelo carinho de suas palavras.


BjO Grande.

Mundo da Lili disse...

Oieeeeee adorei sua visita no meu Mundo, já estou te seguindo...
Bjaoooooo

Otelice disse...

Obrigada, Angelo, pela tua presença, lá no Canto Eterno e prabéns pelos teus lindo versos.
Um grande abraço.

Ana Agarriberri disse...

Obrigada pela visita e comentário lá no Molhe-se, sempre bem vindo. Parabéns pelo espaço que tens, esse post, em especial, é tão verdadeiro e intenso. Muito bom, beeejo,beeejo, seguindo-te.

Celylua - O blog das Letras disse...

Agradeço a visita e suas palavras...
Sua inspiração é deslumbrante, adorei o poema, parabéns!!!!
Deus abençoe você e sua família.
Beijo no coração.

Lucas Ribeiro disse...

Você transfigurou em muito palpável o sentimento brother. Digno de aplausos! Lindo poema!
Me fez lembrar de olhos somente meus vivíssimos na lembrança.

Parabéns!!! Continue escrevendo e Forte abraço.

Nuriko disse...

Acho engraçado quando falam sobre o olhar. É sério, você pode olhar para os olhos dos outros e perceber que tipo de pessoas eles são.
Talvez seja por isso que fico todo trêmulo, covarde com alguns olhares.