BlogBlogs.Com.Br

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

A vida imita a arte e a arte imita a vida.



















Caros,

Hoje, sob fortes influência Chaplinianas e Shakespeareanas, escrevi um poema.

Gostaria da opinião de vocês, especialmente dos poetas que seguem o meu blog, a respeito da mesma.

Sem mais delongas, segue a poesia.


Vida em um ato.

Silêncio! Eu estou em cena.

O foco é meu.

Luzes, holofotes

Tudo voltado para mim.


É a minha grande chance

O meu momento

Contraceno apenas com uma pessoa

O resto não me interessa

O foco é meu

Meu monólogo

Minha cena


O espetáculo prossegue e outros atores surgem da coxia

Contraceno

O foco é meu

O palco é todo meu

Sinto que todos vieram pra ME assistir

O FOCO É MEU!!!


Minha personagem ganha características diferenciadas.

Diferentes do que eu quis

Diferentes do que eu imaginei

Minha personagem é cunhada pelas contracenas obrigatórias

E toma uma forma que eu não conhecia até então


À medida que a cena prossegue

As marcações aparecem

Mas o diretor é etéreo, invisível

E eu ignoro as marcações


Não tenho roteiro

Meu grande monólogo agora se torna uma peça

Contraceno desejando ou não

O show tem que continuar


Por desrespeitar as marcações, erro

Perco as deixas

Falo em momentos errados

Mas a cena continua

Dividir o foco é cada vez mais necessário

Mas continua sendo muito difícil

O foco já não é só meu


Jogos de cena

Improvisações necessárias que não aprendi a fazer

Por achar que o foco era só meu

E quando noto que não,

Já não contraceno como os outros

E minha fé cênica vai embora


Minha energia cai

Não consigo mais tomar o foco

Me encontro no ostracismo

Minha impostação vocal já não alcança as pessoas da primeira fila

Em um espetáculo que já foi só meu

Meu monólogo

Meu foco


Está perto do fim

Os aplausos não serão pra mim,

Se é que haverão aplausos,

Não creio que os ouvirei.


Só então me percebo ator

As marcações agora são claras

O diretor me fita com olhos de repreensão

Ainda não o vejo, e já não sei se o verei


Eu

Ator

Eu

Artífice de mim mesmo



Fim do primeiro ato.



"A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso cante, chore, dance, ria e viva intensamente; antes que a cortina se feche e a peça acabe sem aplausos" Charlie Chaplin

25 comentários:

Igor disse...

Merda pra vc, cara!

Caio Abreu disse...

Ei amigo! Qt tempo!
Muito bom saber que voltou ao mundo da blogsfera :)

Bom voltar a ler seus contos, textos.

Gostei da poesia

Abraços

°Farfalla°Shakti° disse...

affffffffffffff.°°°

quantas.emoções.e.sensações...
ao.perceber.que.nos.fazemos.de.peça...
essa.vida.rara...
oras.profunda...
imunda...
sem.texto.ou.conexo.
ai.quase.me.detesto...
e.de.grão.em.grão.fazemos.o.pão...
quem.sabe.pra.comer.
em.atos.de.solidão...

e.lá.se.vai...

verso.e.canção.°

pura.emoçao.°

°Farfalla°Shakti° disse...

sendo.que.o.meu.foco...
.é.meu...
meio.torto..
meio.sem.profundidade...
ao.mesmo.intenso.°
quase.insanidade....

Jorge disse...

gostei muito do seu egoísmo poético!!! AUHAuhauhahuauh
DP!!!!!!
Um abraço

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

Eu gostei muito; fazes um retrato do que é a vida e também do número de vezes que temos de ser aquilo que não queremos, pois a sociedade assim o exige. Não podemos ser só nós, temos que dividir com os outros, embora em primeiro lugar tenhamos de cuidar do nosso eu; isso não é egoísmo, ou melhor, é um egoísmo saudável, já que, se não estivermos bem com o nosso eu não poderemos fazer bem aos outros; os aplausos não podem ser só para nós; há alturas em que temos de aplaudir os outros; eles foram melhores que nós; é assim! Umas vezes acertamos, outras erramos, outras somos bons e muitas vezes somos maus. A vida é assim. Penso que o Verbo do Ser que fiz no começar de novo( foi a minha 2ª poesia) tem algo a ver com isto. Um beijo e sinceramente, gostei.
Emília

Pietro Leal disse...

Não importa o palco.
Sua arte é incontestável.
Versos, prosas e prosopopeias:
tudo tem a sua cara.

Carlos Albuquerque disse...

Vamos no Shakespeare!
Ser ou não ser...
Eu digo, por influência, Ser ou não ser assim. VC é assim!
Aqui estão as linhas mentais em total e saudável anarquia.
Condiz com a sua apresentação: Pensamento Livre e Literatura.
Avance, meu amigo!
Um abraço

Ricardo Calmon disse...

Bom teatral autor serias,mio caro,te abraço!

Viva Vida

T@CITO/XANADU disse...

A vida é como um salão de festas, às vezes
iluminado, cheio de risos, flores e musicalidade.
Às vezes triste, fechado, funesto.
A vida é uma composição de notas musicais,
desafinadas, sob a batuta de um competente regente.
A vida é uma nota de fá, de sol, de lá maior...
A vida é uma partitura DE UMA NOTA SÓ, cujos
instrumentos variam de formas, de companhias, emitem
a vida em melodias.
a vida é uma marionete, composta de fantoches
saltitantes, onde todos se inebriam ao som de orquestras
variadas.
A vida é um show, viver é uma realidade pautada
em trilhas sonoras a serem interpretadas.

Tácito

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

... ...traigo
sangre
de
la
tarde
herida
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazon
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


TE SIGO TU BLOG:
MISANTROPIA VIRTUAL




CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesia ...


AFECTUOSAMENTE
MISANTROPIA VIRTUAL




jose
ramon...

Anônimo disse...

Vc é muito bom... Adorei! Continue escrevendo assim... Bjus!

Cristal

Fernanda disse...

fantástico. preciso e verdadeiríssimo. tem gente que precisa ler...

sou fã!

Fagulhas do Divino no humano disse...

Cara o texto nasce da alma...muito bom!! deixe a alma falar ela é sua e mais de ninguem ....

Natan de Alencar disse...

Um brinde poético a cada um de nós, que, por meio da arte, tornamo-nos seres despetalando, por vezes, o próprio drama, repintando, em vida e em sonhos, a própria máscara..

AkemiF! disse...

Você. Escreve. Muito.

Obrigada por visitar meu blog. Passe lá sempre que possível!
Dê umas dicas também. Ainda sou muito crua na arte que você domina tanto!
Muito obrigada pela visita.
Ah, já ia me esquecendo: muito obrigada mesmo pela visita!

;)

Jou Jou Balangandã disse...

Mesmo sem ser poeta, vou dar minha opinião ... gostei da poesia, e do blog.

Parabéns, ganhou seguidora nova.

Beijou

AkemiF! disse...

:)

Retalhos de Amor disse...

Feliz com tua volta, Angelo*****
Meu sem tempo é culpado
D'ausência de palavras
Neste teu Ser Palavras!!!

Dia de paz pra ti!!!

Beijos...
No coração, viu!!!
Iza

Tânia Meneghelli disse...

Se é que vale a opinião de uma leiga no assunto, lá vai: gostei muito da poesia. Vi um conteúdo bacana, intimista, com uma construção simples e, ao mesmo tempo, de estética arrojada. Tá aí, gostei. De verdade. Beijoca e muito sucesso!

Lucas disse...

Como sempre muito massa Ângelo! Poesia carregada de sentimento e que vai se exibindo ao passar das cenas, fiquei imaginando o ator perdido no palco, análogando a uma decepção na vida. Com certeza a decepção de um acontecimento se enquadra pragmaticamente. Portanto, tente sempre acertar pra sorrir depois, se nao acertar ao menos aprenda.

abraço!

Claudia Sunshine disse...

Oi! Não li o poema! Mas conheci o seu blog! Quero te dizer que Jesus te ama muito! deus te abençoe com muita paz no coração, a paz que nada e nem ninguém pode tirar de nós!

Visite o meu blog, onde postei esse video do Youtube, cuja letra da música eu gosto muito: Apocalipse 16 e Ao Cubo - Incline os seus ouvidos

Deus te abençoe!

Claudia Sunshine
http://blogdosultimos.blogspot.com

Stella Tavares disse...

Sua arte passeia pelas palavras. Em cena aberta.
Adoro os seus posts.
Bjs

ASAS AO TEMPO disse...

Não li tudo por aqui ainda, mas o que li foi suficiente para amar...

Deixo um poema que, que ao ler o teu, lebrei-me dele...

peça-VIDA (soneto)

Quem me dera entrar em tua alma serena
Com entrada triunfal, digna de uma artista,
E ganhar o papel principal, ser protagonista
De uma peça-VIDA, escrita em um só poema.

Quem me dera fizesse contigo a contracena
Ou fosse em tal momento uma sonetista,
Autora da cena do beijo, a minha favorita
A mais longa, eu o beijaria sem problemas,

Não me negar à fala, e ver que nela existo
Olhar em meus olhos e ler frases de amor
Interpretará que eu a ti nunca resisto!

Se ao abrir as cortinas, não ouvir aplausos
Ter só teu olhar em mim, meu cachê maior
Paga vindo de ti, o receberei com louvor!


ABRAÇOS

TERESA CORDIOLI

Sacha disse...

adoro te ler... voltarei sempre